27 de mar de 2013

Descobertas estrelas quase invisíveis próximas da Terra

Redação do Site Inovação Tecnológica - 14/03/2013


Concepção artística do sistema binário de anãs marrons.
 [Imagem: Janella Williams/PSU]

Nêmesis
São as estrelas mais próximas do Sistema Solar descobertas em quase um século.

O par de anãs marrons foi descoberto por Kevin Luhman, da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, usando dados do telescópio espacial WISE.

Ainda não é a tão procurada Estrela X, mas o binário estelar figura agora na lista das estrelas mais próxima de nós, ainda que não as possamos contemplar no céu.

Anãs marrons são estrelas cuja massa não é grande o suficiente para dar a partida no processo de fusão do hidrogênio.

Por isso, elas são relativamente frias e brilham muito fracamente, lembrando mais um planeta gigante como Júpiter do que uma estrela como o Sol.

Os astrônomos sempre especularam sobre a possível existência de um objeto de luz muito fraca orbitando o Sol, normalmente chamado de Nêmesis.
  • Planeta X pode ter sido detectado por sonda da NASA

No entanto, Luhman concluiu que "podemos descartar que o novo sistema de anãs-marrons seja tal objeto, pois ele está se movendo muito rápido no céu para estar em órbita em torno do Sol."


Localização dos sistemas estelares mais próximos do Sol -
 o novo sistema é o terceiro mais perto, tornando-se alvo para a
busca de exoplanetas. [Imagem: Janella Williams/PSU]




Estrelas mais próximas da Terra 

"A distância até esse par de anãs marrons é de 6,5 anos-luz - tão perto da Terra que nossas transmissões de TV de 2006 já estão chegando lá agora," disse Luhman. 

"Será um excelente local para procurar planetas, porque elas estão muito próximas da Terra - isso tornará muito fácil ver qualquer planeta que esteja orbitando qualquer uma das duas," acrescentou Luhman. 

A distância de 6,5 anos-luz coloca as estrelas na terceira posição entre as estrelas mais próximas do nosso Sistema Solar. 

A estrela de Barnard, que fica a 6 anos-luz, ocupa a segunda posição - o astrônomo Edward Emerson Barnard descobriu sua estrela em 1916. 

O sistema estelar mais próximo de nós continua sendo Alpha Centauri (4,4 anos-luz), descoberta em 1839, e Proxima Centauri (4,2 anos-luz), descoberta em 1917. 

Quando detectado pelo telescópio WISE, o binário pareceu ser um único corpo celeste. Mas observações seguintes com o telescópio Gemini mostraram tratar-se de um binário. 

Por enquanto, o par atende pelo enigmático nome de WISE J104915.57-531906. 



Bibliografia:
Discovery of a Binary Brown Dwarf at 2 Parsecs from the Sun
Kevin L. Luhman
Astrophysical Journal Letters
Vol.: In press
http://arxiv.org/abs/1303.2401


Um comentário:

  1. Uma estrela que é relativamente fria e brilha muito fracamente, não pode ser um corpo grande e que não atingiu o processo de fusão do hidrogênio, mas uma estrela que já saiu da sequencia principal, ou seja, uma estrela que já consumiu seu "combustível". Já foi uma nova, o que sobrou, agora esfria lentamente.
    Um grande planeta que não atingiu a fase de fusão para se tornar uma estrela (tipo Júpiter ou ainda maior) pode até emitir mais calor do que recebe mas não pode brilhar por conta própria.
    Obs.: O planeta X é o tal de NIBIRU, que a NASA estar escondendo para não causar tumulto.

    ResponderExcluir