3 de set de 2010

Galáxia emite super-vento intergaláctico

Redação do Site Inovação Tecnológica - 02/09/2010

A NGC 4666 está situada a cerca de 80 milhões de anos-luz de distância, e apresenta um processo de formação estelar particularmente intenso.[Imagem: ESO/J. Dietrich]
Super-vento galáctico

Perto das imagens rotineiramente captadas pelo telescópio Hubble, e mesmo por telescópios terrestres, a galáxia NGC 4666 não se destaca em beleza e tampouco se aproxima do aspecto mais do que estranho do Objeto de Hoag.

Mas ela está longe de ser uma galáxia comum.

A NGC 4666 é uma galáxia com processos intensos de formação estelar, que provavelmente são os responsáveis por um jato de gás que ela emite em direção ao espaço - um fenômeno tão forte que os astrônomos o chamam de "super-vento".

A galáxia já havia sido observada em raios X pelo telescópio espacial XMM-Newton. Esta imagem agora divulgada foi obtida em luz visível com o telescópio do ESO (Observatório Europeu do Sul), instalado em La Silla, no Chile.

Os cientistas estudam os objetos astronômicos em vários comprimentos de onda diferentes em busca de compreender melhor sua natureza. Isto porque a radiação em diferentes comprimentos de onda fornece informação sobre os diferentes processos físicos que estão ocorrendo.

Interações gravitacionais

A NGC 4666 está situada a cerca de 80 milhões de anos-luz de distância, e apresenta um processo de formação estelar particularmente intenso.

Os astrônomos acreditam que esta formação estelar intensa seja causada por interações gravitacionais entre a NGC 4666 e as suas galáxias vizinhas, incluindo a NGC 4668, que pode ser observada no canto inferior esquerdo da imagem. Essas interações provocam muitas vezes surtos de formação estelar intensa nas galáxias envolvidas.

Uma combinação de explosões de supernovas e fortes ventos liberados por estrelas de grande massa está na origem da ejeção de um imenso jato de gás da galáxia para o espaço - o chamado super-vento.

O super-vento é enorme em termos de dimensões, tendo origem na região central e brilhante da galáxia e estendendo-se por dezenas de milhares de anos-luz. Como o gás é muito quente, ele emite radiação essencialmente em raios X e em radiofrequência - por isso ele não aparece em imagens no visível, como é o caso da imagem agora divulgada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário