4 de abr de 2011

A nova ordem científica

O Globo - 30/03/2011


China ultrapassará EUA e será líder de pesquisa em 2013. Brasil é potência emergente

Renato Grandelle


Inventora da bússola, da pólvora e do papel, a China está decidida a reassumir a vanguarda do conhecimento. Um relatório global apresentado ontem pela Royal Society britânica revela o salto do país em 20 anos. A China pulou da sexta posição para a vice-liderança no ranking da produção científica global, desbancando o Japão. E a previsão é que passará os EUA em 2013, tornando-se a líder mundial da ciência. Brasil e Índia também mereceram destaque no relatório - a Royal Society estima que, até o início da próxima década, eles terão produção científica maior do que França e Japão. O crescimento das nações emergentes já é acompanhado pela queda da produção científica de EUA e Europa. Mas, diferentemente de outros países em desenvolvimento, que destinam mais recursos às engenharias, o Brasil prioriza investimentos em biociências e agropecuária.

- É, de certa forma, uma nova ordem mundial - explica Carlos Henrique de Brito, diretor científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). - Os países que se estabeleceram primeiro como centros científicos estão perdendo posição para outros que chegaram mais recentemente a esta atividade e buscam se desenvolver.

Os EUA ainda publicam quase o dobro de pesquisas da China (320 mil contra 163 mil). Ainda assim, Washington percebeu que está perdendo o fôlego. Em 2003, os americanos publicavam 26% de todos os trabalhos elaborados no mundo; cinco anos depois, este índice caiu para 21%. Recentemente, o Congresso daquele país pediu à Academia Nacional para investigar qual é a competitividade de suas unidades de pesquisa, em relação à de outras nações.

A preocupação também é visível do outro lado do Atlântico. No ano passado, a Royal Society alertou o governo britânico que "a liderança científica (do Reino Unido), que demorou décadas para ser construída, pode ser perdida rapidamente". O país hoje é o terceiro no ranking mundial.

Crise econômica ajudou emergentes

A classificação científica representa muito mais do que mero prestígio. Trata-se de um indicador sobre a capacidade que um país tem para competir na economia global, gerando tecnologia, produtos de alto valor e independência em áreas estratégicas.

- O relatório da Royal Society é interessante, mas sua análise vai até 2008. Depois, houve a crise econômica mundial, e a balança pode ter pendido ainda mais para as nações emergentes, que foram menos afetadas pela recessão - ressalta Brito.

O crescimento científico brasileiro foi tão intenso que, pela primeira vez, uma cidade sul-americana entrou no mapa das 20 mais produtivas cientificamente. São Paulo é citada como um centro de pesquisa de grandeza semelhante a Nova York, Paris, Londres, Pequim e Tóquio. Vem da capital paulista uma em cada cinco pesquisas científicas do país. A liderança é resultado de décadas de investimentos.

- O estado aplica praticamente 13% de sua receita em ensino superior e pesquisa. É apenas um ponto percentual a menos que a Califórnia - destaca Brito. - Só a USP forma 2.200 doutores por ano. O desafio é fazer com que a experiência bem-sucedida aqui seja aplicada em outras regiões brasileiras.

Há, porém, outras pedras no caminho. Uma é a que a produção científica nacional, embora continue crescendo, aos poucos tem pisado no freio. Entre 1994 e 1998, este índice cresceu a uma velocidade de 17% ao ano. De 2003 a 2008, a 5,3% anuais.

- Temos um potencial muito grande para tirar o atraso, desde que haja investimentos em educação, na formação adequada de técnicos e pesquisadores e mais recursos para a pós-graduação, que é um sucesso nacional - enumera Paulo Sérgio Beirão, diretor de Ciências Agrárias, Biológicas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). - A Unesco, em 2009, já nos colocava como o 13º do mundo em produção científica. Podemos ultrapassar outros países, como a França.

Segundo a Royal Society, o ranking das dez nações de maior produção científica têm, além de EUA, China e Reino Unido, Japão, Alemanha, França, Canadá, Itália, Espanha e Índia. Tuvalu está em último lugar: o país insular produziu apenas um dos 1,5 milhão de trabalhos científicos de 2008.

Nenhum comentário:

Postar um comentário