17 de jun de 2011

Físico brasileiro cria softwares para 'caçar' cometas.

Folha de São Paulo - 13 de junho de 2011
Paulo Holvorcem usa a tecnologia para coletar e analisar o céu sem precisar sair de sua casa, na Bahia.

Última descoberta foi um novo cometa, há menos de um mês; foi o terceiro objeto do tipo que ele encontrou.

 
GIULIANA MIRANDA
DE SÃO PAULO

Enquanto a maioria das pessoas se contenta em admirar o céu, o físico Paulo Holvorcem quer deixar seu nome gravado nele. O gaúcho já tem no currículo uma verdadeira coleção de descobertas relevantes. A última delas, um novo cometa, aconteceu sem que ele precisasse sair de casa, em Porto Seguro, na Bahia.

Insatisfeito com a qualidade dos programas de computador para observação astronômica no mercado, Holvorcem desenvolveu um arsenal de softwares específicos.

Um deles permite que ele programe com exatidão as coordenadas de observação em um telescópio nos Estados Unidos e receba somente seus "pontos de interesse" no dia seguinte, por e-mail.

"Sem passar frio e sem precisar controlar manualmente o telescópio, como se fazia antigamente", explica ele.

Grandes centros e observatórios costumam restringir o acesso aos seus softwares porque não querem concorrência pelas descobertas. "Quem não faz parte deles tem dificuldades", diz Holvorcem, que tem doutorado em matemática.

Com o Universo sendo varrido por equipamentos potentes que recebem o apoio da Nasa e da Esa (Agência Espacial Europeia), Holvorcem ""que faz explorações amadoras"" criou uma tática para conseguir se destacar.

LADO B

Ele explora uma espécie de "lado B" da Via Láctea. Pontos com alta concentração de estrelas, que tornam a observação mais trabalhosa e normalmente menos interessante para quem precisa produzir um grande volume de descobertas para justificar seus financiamentos. Para contornar os problemas de observação, Holvorcem criou um programa que funciona como um interruptor de estrelas. O software reconhece pontos fixos, como estrelas e galáxias, e os apaga das imagens, deixando só os pontos de interesse.

O último dos três cometas que ele descobriu foi assim. Localizado no fim de maio, o objeto, cujo brilho era muito fraco, acabava ofuscado pela grande quantidade de estrelas em seu entorno.

"Era um cometa de magnitude 19. Ou seja, cerca de 150 mil vezes mais fraco do que as estrelas mais fracas visíveis a olho nu em uma noite de céu escuro, sem poluição luminosa, com a atmosfera com boa transparência", explica Holvorcem.

FRAQUINHO

Por ter um brilho tão sutil, o cometa levou um pouco mais de tempo do que o habitual até ser confirmado pala IAU (União Astronômica Internacional), entidade que bate o martelo nas decisões astronômicas.

Isso acontece porque, para confirmar as descobertas de cometas, os astrônomos precisam ter seus dados publicados e averiguados por outros membros da comunidade. Como nem todo mundo tem um telescópio grande ou um "interruptor de estrelas", demorou mais.

A confirmação oficial chegou em circular da IAU no dia 31 de maio e o cometa foi batizado de C/2011 K1 (Schwartz-Holvorcem).

Nenhum comentário:

Postar um comentário