27 de ago de 2010

Descoberto planeta pulverizado ao redor de estrelas binárias

Redação do Site Inovação Tecnológica - 24/08/2010


"Isto é ficção científica na vida real. É teoricamente possível que possa existir planetas habitáveis em torno desses tipos de estrelas duplas, assim, se realmente havia vida ali, ela foi varrida."
[Imagem: NASA/JPL-Caltech]

Pó de planetas

O Telescópio Espacial Spitzer, da NASA, descobriu uma quantidade surpreendentemente grande de poeira em torno de três pares de estrelas maduras, que giram umas em torno das outras em grande proximidade.

A pergunta imediata que se coloca é: "De onde vem tanta poeira?".

Os astrônomos acreditam que a melhor hipótese é que a poeira sejam os destroços deixados por enormes colisões planetárias.

"Isto é ficção científica na vida real", entusiasma-se Jeremy Drake, do Centro Harvard-Smithsonian para Astrofísica. "Nossos dados nos dizem que os planetas nesses sistemas podem não ter tido tanta sorte - as colisões entre eles seriam comuns."

Drake é um dos autores do artigo que descreve a descoberta, que tem o sugestivo título de "destruidoras de mundos", referindo-se às estrelas binárias. "É teoricamente possível que possa existir planetas habitáveis em torno desses tipos de estrelas duplas, assim, se realmente havia vida ali, ela foi varrida," diz ele.

Tempestades magnéticas

O binário observado é o RS Canum Venaticorums. As duas estrelas estão separadas uma da outra por apenas 3,2 milhões de quilômetros, ou 2% da distância entre a Terra e o Sol. Os pares estelares orbitam uma em torno da outra em poucos dias, com uma face de cada estrela perpetuamente voltada para a outra.


Os astrônomos acreditam que a melhor hipótese é que a poeira sejam os destroços deixados por enormes colisões planetárias.
[Imagem: NASA/JPL-Caltech/Harvard-Smithsonian CfA]

Mas essas estrelas giram muito rapidamente, o que lhes dá poderosos campos magnéticos e ocasiona gigantescas tempestades estelares. A atividade magnética gera ventos estelares extremamente fortes, verdadeiros tufões em comparação com o vento estelar do Sol. Isso diminui a velocidade das estrelas, puxando-as uma para mais perto da outra.

É aí, acreditam os astrônomos, que começa a destruição dos planetas, que, juntamente com cometas, asteroides e qualquer outro corpo celeste que orbita as gêmeas começam a se chocar uns contra os outros. Ao longo das eras, só restam os discos de poeira agora visualizados pelo Spitzer.


Bibliografia:

Close binaries with infrared excess: destroyers of worlds?
M. Matranga, J. J. Drake, V. L. Kashyap, M. Marengo, M. J. Kuchner
Astrophysical Journal Letters
2010 Agosto 19
Vol.: 720, Number 2
DOI: 10.1088/2041-8205/720/2/L164

Nenhum comentário:

Postar um comentário