26 de nov de 2010

Europeus flagram o 1º planeta de outra galáxia

Folha de São Paulo - 29/11/2010
GIULIANA MIRANDA
DE SÃO PAULO


Nem mesmo a Via Láctea está livre dos penetras. Astrônomos europeus acabam de encontrar um planeta vindo de outra galáxia bem na nossa vizinhança cósmica.

Embora a "pancadaria" sideral, com direito a colisões e até fusões entre várias galáxias, não seja novidade para os cientistas, essa foi a primeira vez que eles encontraram um planeta que tenha sobrevivido a tais pancadas.

Batizado de HIP 13044 b, o objeto foi detectado com o auxílio de um supertelescópio no Chile. O intruso fica a cerca de 2.000 anos-luz da Terra e é um gigante. Tem pelo menos 1,25 vez o tamanho de Júpiter, que é o maior planeta do Sistema Solar.

Mas como os autores do estudo, que sairá em edição futura da revista "Science", sabem que o planeta não é "nativo" da Via Láctea?

Eles chegaram a essa conclusão baseados na estrela que ele orbita: a HIP 13044.

O astro fica em uma região distante da Via Láctea conhecida como corrente Helmi. Nesse local, as estrelas têm parâmetros orbitais bem particulares, que são diferentes dos da maioria das outras estrelas na vizinhança do Sol.

Para os pesquisadores, isso indica que elas faziam parte de uma galáxia que foi engolida pela Via Láctea entre cerca de 6 bilhões e 9 bilhões de anos atrás.



Astro é um gigante gasoso, como Júpiter, mas 25% maior do que ele.

Objeto orbita estrela que hoje pertence à Via Láctea, mas estava em outra região galáctica bilhões de anos atrás.

L. Calçada/ESO


Concepção artística do planeta HIP 13044 b, que orbita estrela vinda de outra galáxia
REVIRAVOLTA

Na opinião dos cientistas, é uma surpresa das grandes que o planeta tenha sobrevivido à fase de expansão de sua estrela, uma gigante vermelha -estágio em que certas estrelas muito antigas ficam "inchadas", quando seu combustível nuclear começa a se tornar escasso.

"A descoberta é intrigante se considerarmos o futuro distante do nosso próprio Sistema Solar, em que esperamos que o Sol também se torne uma gigante vermelha daqui a 5 bilhões de anos", disse Johny Setiawan, um dos autores do trabalho, do Instituto Max Planck de Astronomia (Alemanha).

O fato de a HIP 13044 ser pobre em metais -com apenas 1% do que existe no nosso Sol, por exemplo- pode provocar uma reviravolta nas principais teorias de desenvolvimento planetário.

De acordo com elas, existe uma relação direta entre a composição química das estrelas e a quantidade de planetas em seu entorno.

Nesse caso, quanto mais metais existirem na estrela, mais "filhotes" planetários ela acabaria tendo.

Nos últimos 20 anos, os pesquisadores investiram pesado na descoberta de planetas fora do Sistema Solar -hoje, são mais de 500. Nenhum, porém, orbitava uma estrela com tão pouco metal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário