3 de nov de 2010

G1 lista 10 cidades ideais para observar as estrelas

G1 - 30/10/2010 10h00 - Atualizado em 30/10/2010 10h16

Nathália Duarte
Do G1, em São Paulo

Municípios localizados a mais de 50 km de grandes centros são boa opção.
Confira constelações e planetas visíveis a olho nu nesta época do ano.

Para quem quer descansar e aproveitar o feriado sem percorrer grandes distâncias, observar estrelas pode ser uma atividade prazerosa. Há quem pense que é preciso ir longe, ou que não há muito que se ver, mas o fato é que cidades do interior são ótimos pontos para observação amadora e há diversas constelações e planetas que podem ser vistos a olho nu nesta época do ano, sem a necessidade de equipamentos ópticos.

“As pessoas costumam olhar rapidamente para o céu, e não têm paciência para perceber o que está lá. Nesta época do ano, por exemplo, é possível ver Vênus e Júpiter, no começo da noite. São objetos muito brilhantes, evidentes e fáceis de serem identificados”, diz o astrofísico Carlos Henrique Veiga, chefe da Divisão de Atividades Educacionais do Observatório Nacional.

Além desses objetos, outras constelações podem ser vistas em todo o país em novembro, segundo levantamento feito pelo Observatório a pedido do G1. “As mesmas figuras podem ser vistas em todo o país, com pequenas diferenças de horários, já que os planetas têm movimento”, afirma Veiga.

Segundo o Observatório, com o início da primavera, o chamado “céu de verão” já é visível do meio para o final da noite. O “céu de verão” é o nome que se dá ao conjunto de constelações que estão bem visíveis logo na primeira parte da noite.

Mas, mesmo para "simplesmente" observar as belezas da natureza, é importante seguir algumas dicas para garantir que as constelações e planetas sejam mesmo vistos a olho nu. Para ajudar na busca pelo lugar ideal, o G1 destacou 10 cidades que se enquadram nas orientações de especialistas, seguindo, principalmente, o primeiro critério fundamental: estar a mais de 50 km de grandes centros urbanos.

"A luminosidade é a grande vilã dos astrônomos, então deve-se evitar lugares com muita luz artificial e dar preferência a ambientes mais escuros. Qualquer interior de grande cidade poderia ser usado como ponto de observação. A ideia é sair da luz das grandes cidades", afirma o astrofísico Veiga.

Mesmo distantes dos grandes centros e de áreas industriais, já que a poluição também prejudica a visibilidade na hora da observação, cidades litorâneas, próximas a praias ou até mesmo a rios e lagos, devem ser evitadas devido à grande quantidade de nuvens.


Dicas para observar o céu

-Procure ambientes com pouca luz artificial. Fugir da luminosidade nos permite enxergar até quatro vezes mais objetos no céu;

-Cidades no interior dos estados podem ser consideradas bons pontos de observação amadora, desde que afastadas mais de 50 km dos grandes centros;

-Evite locais em que há grande atividade industrial e trânsito, já que a poluição também é bastante prejudicial à observação;

-Os pontos ideais para a observação amadora são altos, frescos e com pouca possibilidade de chuva;

-Se possível, leve ao menos um binóculo, que aumenta a capacidade de visualização;

-Evite áreas litorâneas, próximas a praias, lagoas e rios, por causa da nebulosidade causada pela evaporação;

-O inverno é a melhor estação para se observar o céu já que, com o frio, todo o gás que dificulta a visualização tende a descer e tornar o céu mais “limpo”.

Fonte: Observatório Nacional



Acesse o link abaixo e veja a matéria na íntegra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário