7 de fev de 2011

Brasil inflama corrida pelo telescópio

Nature
27/01/2011

Negócio alavanca a proposta européia de construir o maior observatório do mundo, enquanto grupos dos EUA competem por financiamento.


POR ADAM MANN

Para os astrônomos, Cerro Armazones, no Deserto do Atacama, Chile, praticamente grita por um observatório. Acima é o mesmo ar seco e estável, que dá ao Very Large Telescope (VLT), a 20 km dali, em Cerro Paranal, uma das melhores vistas do mundo dos céus. Mas a 3.064 metros, mais de 400 metros acima de Paranal, Armazones deve ser ainda para um telescópio extraordinário.

A montanha não deve ter que esperar muito mais tempo. Em 29 de dezembro, o Brasil anunciou sua intenção de aderir ao European Southern Observatory (ESO), que opera o VLT, entre outros observatórios, no Chile. Se for ratificado pelo parlamento brasileiro, a iniciativa resultará no décimo-quinto membro do consórcio, sendo o primeiro não-europeu. Ela também melhora significativamente as chances de que o European Extremely Large Telescope (E-ELT), um gigante de ótica que será o maior telescópio do mundo e, possivelmente, a mais importante ferramenta astronômica do século, seja sobre o cume do Armazones até o próximo ano.

"Temos o local. Temos o projeto. A inclusão do Brasil coloca todo o cenário de financiamento em uma base muito mais sólida", diz Tim de Zeeuw, diretor-geral do ESO, com sede em Garching, na Alemanha.

O acordo vai permitir o acesso dos astrônomos brasileiros às instalações do ESO e colocar o florescente setor de alta tecnologia do país em posição de ofertar competitivamente a construção de componentes para o E-ELT. Em contrapartida, o Brasil vai contribuir com cerca de € 300 milhões (US$ 400 milhões) para o ESO durante dez anos, incluindo uma taxa de entrada de € 130 milhões. Isso é suficiente para fazer pender a balança a favor da construção do E-ELT e para consolidar o status do ESO como a principal entidade de pesquisa astronômica do mundo. O ESO já havia selecionado Armazones como o local preferido para o observatório de próxima geração E-ELT, que teria um espelho principal segmentado com um escalonamento de 42 metros –dando a ele 15 vezes mais poder de captação de luz que os maiores telescópios atualmente em uso . Mas até agora, não estava claro se a organização iria conseguir os cerca de € 1 bilhão necessários para tornar o E-ELT uma realidade.

A notícia aumenta a pressão sobre dois esforços liderados pelos EUA de escala comparável: o projeto Thirty Meter Telescope (TMT), que também considerou Armazones, mas optou pela vantagens de um local nos EUA, em Mauna Kea, no Havaí, e o Giant Magellan Telescope (GMT), um instrumento de 24,5 metros previsto para o cume do Cerro de Las Campanas, no Chile. Ambos são apoiados por uma ampla colaboração de universidades dos EUA e parceiros internacionais, e pretendem entrar em operção por volta de 2019, mais ou menos na mesma época do E-ELT.

No ano passado, a revisão decenal Astro2010 da comunidade astronômica dos EUA recomendou que a National Science Foundation (NSF) apoiasse um novo observatório gigante. Mas, com recursos restritos, o painel disse que o NSF deve escolher entre os dois telescópios liderados pelos EUA.

Tanto o E-ELT quanto o TMT são projetados ao longo das linhas dos dois telescópios de 10 metros Keck, no Havaí, mas em uma escala maior. Seus espelhos primário serão compostos de centenas de espelhos hexagonais,de 1,45 metros, cuja posição pode ser controlada individualmente para otimizar a qualidade da imagem. Em contrapartida, o GMT será composto de seis espelhos de 8,4 metros dispostos ao redor de um sétimo espelho central do mesmo tamanho.

A premissa científica para tais instrumentos enormes é forte, diz Ray Carlberg, um astrofísico da Universidade de Toronto, no Canadá, e diretor canadense do projeto TMT. Eles vão ver a borda do universo visível e discernir a formação das primeiras estrelas, galáxias e buracos negros. Mais perto de casa, eles irão captar planetas em órbita de outras estrelas e sondar suas atmosferas sobre os componentes que podem indicar a presença de vida. Qualquer país sem acesso a um instrumento tão poderoso estará em grande desvantagem em comparação com o resto da comunidade astronômica, diz Carlberg.

Devido ao seu tamanho e custo, tais projetos requerem mais recursos do que qualquer nação pode fornecer. No caso do ESO, o custo de entrada do Brasil é acompanhado por um total de € 300 milhões já comprometidos pelos 14 membros europeus. O ESO também pediu aos membros uma "contribuição extraordinária" de mais € 400 milhões, que deverá cobrir os custos de construção remanescente do E-ELT, diz de Zeeuw. Apesar das medidas de austeridade, ele espera que os estados europeus irão concordar formalmente em fornecer o financiamento adicional até o meio deste ano.

Roger Davies, um astrofísico da Universidade de Oxford, Reino Unido, e presidente da comissão permanente de revisão do E-ELT, diz que a entrada do Brasil melhora muito as chances de que os recursos remanescentes surgirão. Se isso acontecer, o conselho de gestão do ESO pode aprovar o E-ELT até setembro, com a construção começando no início do próximo ano.

Para o TMT e o GMT, pelo contrário, o movimento diminuiu. A revisão decenal, que recomendou que a NSF cubra 25% do custo de um projeto, forçou a agência a tomar a decisão entre os dois projetos "o mais rapidamente possível". Pesquisadores estão preocupados que um período prolongado de incerteza pode afastar outros parceiros.

Uma decisão informada não pode ser tomada sem a análise de como um investimento tão grande vai moldar a comunidade científica nos próximos anos, diz James Ulvestad, diretor da divisão de ciências astronômicas na NSF. "É uma previsão do futuro", diz ele. "Você tem que avaliar onde a ciência estará –não hoje, nem no próximo mês, mas em dez anos." Ulvestad diz que a agência deve estar preparada para efetuar uma análise de propostas do GMT e do TMT em meados de 2011, com decisão até dezembro.

Outra complicação é que a revisão decenal lista a construção do Large Synoptic Sky Telescope (LSST), um instrumento de pesquisa de 8,4 metros que vai retratar vastas áreas do céu, como uma maior prioridade imediata do que o GMT ou TMT. Aderir a este significaria que o NSF não estaria livre para se comprometer em financiar a construção de outros projetos antes do LSST ser construído, o que poderia ocorrer mais para o final da década – muito tempo depois que as equipes do GMT e do TMT esperam estar a caminho da conclusão .

Ambos os projetos estão fazendo planos de contingência em caso de o financiamento federal não se concretizar. "Certamente seria útil", diz o diretor do GMT Patrick McCarthy, mas o GMT ainda pode ir em frente sem o apoio da NSF, diz ele, uma vez que seus parceiros internacionais, Austrália e Coreia do Sul, fizeram seus compromissos de financiamento.

Da mesma forma, Edward Stone, vice-presidente do conselho de diretores do TMT, diz que o TMT pretende começar como o planejado, “isso com ou sem a NSF". Mas o TMT poderá enfrentar um revés. Um rascunho de documento de planejamento divulgado este mês pela comunidade astronômica canadense recomenda que o Canadá saia do TMT para aderir ao ESO se, até 2014, o TMT tiver ficado significativamente para trás do E-ELT.

A recomendação é um lembrete dos altos riscos da rivalidade, enquanto a astronomia observacional sai de uma era em que uma dúzia ou mais observatórios principais representaram a vanguarda do campo para uma época em que apenas dois ou três vão fazê-lo. "As pessoas estão percebendo que vai ser devastador ser deixado para trás", diz Carlberg.

Ao aderir ao ESO, o Brasil, que também considerou o GMT e o TMT, aparentemente decidiu que não vai ser deixado para trás. O ano vai determinar quem mais pode estar dentro ou fora da próxima grande rodada de exploração cósmica astronômica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário