11 de fev de 2011

Planetas fora do Sistema Solar viram coisa banal

Folha de S. Paulo - 09 de fevereiro de 2011


A descoberta de mais de mil planetas está em processo de confirmação.

Eles vão se juntar a mais de 500 já confirmados desde 1995; 5 animaram os cientistas por lembrarem a Terra.


GIULIANA MIRANDA
DE SÃO PAULO


Encontrar planetas fora do nosso Sistema Solar, o que não passava de especulação há pouco mais de 20 anos, agora virou rotina para a Nasa. Este mês, a agência anunciou indícios de outros 1.235, que podem se juntar aos mais de 500 já confirmados.

Os dados são do telescópio espacial Kepler, lançado em 2009 para encontrar planetas longínquos.

Dos planetas candidatos, 54 ficam na chamada zona habitável, distância da estrela que permite haver água líquida e, portanto, condições favoráveis ao desenvolvimento da vida como a conhecemos. Cinco deles animaram muito os cientistas. Eles têm possivelmente tamanho parecido com o da Terra.

"Já se esperava que o Kepler fosse descobrir muitos exoplanetas [fora do nosso Sistema Solar]. Mas esses da zona habitável são realmente muito interessantes", diz Duilia de Mello, brasileira que é pesquisadora da Nasa e professora da Universidade Católica de Washington.

A "banalização" da descoberta de planetas longínquos é explicada pela melhora e refinamento de instrumentos e técnicas de avaliação da última década. "É uma nova fase para a Nasa", diz Duilia.

"É como quando a gente compra uma câmera fotográfica nova. Mesmo que a antiga funcionasse bem, os resultados da nova mostram como se pode ganhar em qualidade", diz ela.

Antes, apenas planetas gigantes, tão grandes ou maiores do que Júpiter (o maior do nosso Sistema Solar), eram detectados, por causa da atração gravitacional que exerciam. E, mesmo assim, quando tinham órbitas muito próximas a suas estrelas.

Gigantes gasosos e quentes como esses têm baixíssima probabilidade de vida, dizem os cientistas.

A partir de 2000, astrônomos descobriram que era possível detectar a presença de planetas a partir de variações no brilho das estrelas que eles orbitam. Ao passar na frente de sua estrela, eles alteram momentaneamente parte de seu brilho. Uma espécie de minieclipse.

A partir da duração, intensidade e outros traços desse fenômeno, detectam-se várias características do planeta. O Kepler usa a técnica.

Embora a técnica seja muito eficiente, não está livre de erros. Outros corpos celestes podem provocar as alterações no brilho detectadas.

Como a maior parte do "tira-teima" é feita à mão pelos astrônomos, a confirmação definitiva deve levar anos.


VIDA

"Não custa sonhar, mas, por enquanto, não passa de especulação", avalia Duilia.

Segundo ela, o ponto mais interessante das descobertas é de entender melhor a formação dos planetas.

De fato, algumas das descobertas do telescópio deram um nó até nas teorias planetárias mais respeitadas.

A mais recente foi divulgada na semana passada na revista "Nature". Batizado de Kepler-11, é um sistema solar a 2.000 anos-luz da Terra incrivelmente compacto.

Ao contrário do nosso, seus seis planetas têm órbitas extremamente próximas à estrela. Todos eles com a órbita menor que a de Vênus.



 

Nenhum comentário:

Postar um comentário