7 de jul de 2014

Galáxia anã tem altas taxa de produção de estrelas

As menores galáxias do Universo deram origem a uma proporção inesperadamente grande de estrelas

Quando éramos crianças, muitos de nós queriam saber do que eram feitas as estrelas. Alguns astrônomos crescidinhos, por outro lado, querem saber de onde elas vêm.

Agora, um estudo traz uma surpresa. Parece que as menores galáxias do Universo deram origem a uma proporção inesperadamente grande de estrelas. As descobertas foram publicadas no Astrophysical Journal. [Hakim Atek et al, Hubble Space Telescope Grism Spectroscopy Of Extreme Starbursts Across Cosmic Time: The Role Of Dwarf Galaxies In The Star Formation History Of The Universe]

A maioria das estrelas que vemos no céu se formaram quando o Universo era jovem, apenas alguns bilhões de anos após o Big Bang. Então, para estudar a origem estelar, cientistas usam telescópios que lhes permitem ver galáxias tão distantes que, na prática, estão no passado.  

Observações anteriores se concentraram na capacidade de formação estelar de galáxias maiores. No estudo mais recente, porém, pesquisadores usaram dados coletados por uma poderosa câmera a bordo do Telescópio Espacial Hubble. Com esse instrumento, eles puderam observar galáxias menores, conhecidas como “anãs”. E descobriram que esses dínamos em miniatura produziam estrelas a uma taxa muito alta: rápido o suficiente para dobrar sua massa em apenas 150 milhões de anos. A maioria das galáxias “normais” precisaria de um a três bilhões de anos para realizar essa proeza reprodutiva.

Parece que o Universo já sabia o que Danny Devito, Michael J. Fox e Dustin Hoffman provaram mais tarde: você não tem que ser grande para ter a força de uma estrela. 

Entre milhares de galáxias dessa imagem do Hubble estão as tênues galáxias anãs desde o início do universo, entre 2 e 6 bilhão de anos após o Big Bang, período em que a maioria das estrelas do universo se formaram. Pesquisadores descobriram que algumas destas galáxias estão produzindo um grande número de estrelas.

Matéria original: clique aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário