14 de out de 2010

Depois de vexame, chefe do IPCC diz que permanece no cargo

Folha de São Paulo - 12/10/2010

Indiano Rajendra Pachauri diz que continua presidente, apesar de relatório pedindo saída

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

O presidente do IPCC (painel de mudanças climáticas da ONU), Rajendra Pachauri, disse ontem que não pretende renunciar ao cargo.

A afirmação aconteceu durante a abertura de um evento do IPCC com a participação de 300 representantes, vindos de 130 países, em Busan, na Coreia do Sul.

Pachauri -que em 2007 recebeu em nome do painel o Nobel da Paz, dividido com com o ex-vice-presidente dos EUA Al Gore- reconheceu que houve "erros e falhas" em sua gestão, mas rechaçou a possibilidade de afastamento do cargo.

"Mudanças em uma organização tão importante e complexa como o IPCC são inevitáveis e já passaram da hora", disse ele.

Essa foi a primeira reunião do IPCC após a divulgação de um relatório, em 30 de agosto, que sugere várias reformas no painel. Entre elas, a impossibilidade de reeleição do mandato de seis anos do presidente do grupo.

Eleito pela primeira vez em 2002, eles está no segundo mandato à frente do IPCC.

A pressão por sua saída começou no início do ano, quando veio à tona uma série de falhas nas informações divulgadas pelo painel.

O principal erro foi a projeção de que as geleiras do Himalaia poderiam derreter já em 2035 -bem antes das previsões mais catastróficas.

Apesar dos erros, várias revisões científicas referendaram a maioria das conclusões do IPCC, inclusive a principal delas: há fortes indícios de que o homem seja o principal causador do aquecimento global.

Na sessão de ontem, nenhum país pediu que Rajendra Pachauri deixasse a presidência da entidade.

Alguns diplomatas afirmam que forçar sua saída poderia dar novo fôlego às atividades do IPCC, embora os céticos do clima pudessem usar o fato como reconhecimento de que o relatório do grupo estava equivocado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário