10 de dez de 2010

Brasil prepara centro de biologia "ET"

Folha de São Paulo - 04/12/2010


Espaço terá pesquisas semelhantes às da Nasa, que acaba de anunciar bactéria com bioquímica alternativa.

Centro, que está sendo montado no Instituto de Astronomia da USP, em Valinhos, deve ser inaugurado em 2011.

SABINE RIGHETTI
DE SÃO PAULO

O país terá, no ano que vem, o seu primeiro centro de astrobiologia -área que estuda a origem, a evolução e a distribuição da vida no Universo, inclusive fora da Terra.

O espaço ficará em Valinhos, no interior de São Paulo, e aproveitará a infraestrutura do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP.

Lá, num terreno com cerca de 1 milhão de m2, que inclui áreas com reserva florestal, está sendo reformado um prédio com aproximadamente 800 m2 para abrigar os laboratórios de astrobiologia.

Inicialmente, serão inauguradas apenas algumas máquinas. Uma delas é uma câmara de simulação. Nela, será possível testar a sobrevivência de organismos, como bactérias, em situações que imitam ambientes extraterrestres equivalentes à nossa Lua ou a Titã (lua de Saturno que, acredita-se, pode ter condições favoráveis à química necessária para a vida).

O dinheiro- cerca de R$ 1,5 milhão- é de instituições de apoio como o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).

Isso além do apoio do Inespaço, um dos INCTs (Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia) criados recentemente pelo governo federal.

Com o centro em funcionamento, e com mais recursos entrando, serão comprados os equipamentos mais complexos. "Cada brinquedinho desses custa uns US$ 200 mil", conta Douglas Galante, astrobiólogo que está envolvido no projeto de Valinhos.



ASTROTUPINIQUIM

O Brasil já tem cientistas que trabalham com astrobiologia e com a correlata astroquímica, mas ainda não tem um lugar que reúna equipamentos para pesquisas, como acontecerá em Valinhos.

Na maioria das vezes, os pesquisadores têm de usar laboratórios de fora do país ou o acelerador de partículas do LNLS (Laboratório Nacional de Luz Síncrotron), que fica em Campinas.

Talvez por isso, hoje só há dois grupos "oficiais" nessas duas áreas cadastrados no CNPq (numa base de dados com 26 mil grupos do país).

Um deles- de astroquímica- é coordenado por André Silva Pimentel, na PUC-RJ (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro).

Lá, ele estuda as reações químicas que acontecem na atmosfera dos planetas e no meio interestelar. O outro grupo, de astrobiologia, do qual Galante faz parte na USP, inclui até análise de dados obtidos em Titã.

Em um dos seus trabalhos, Galante coleta organismos e os testa em condições similares às extraterrestres.

Foi mais ou menos isso que fizeram os pesquisadores da Nasa, cuja descoberta de uma bactéria que sobrevive sem fósforo foi anunciada nesta quinta-feira.

Na América Latina, só existe um centro de astrobiologia até hoje, que fica na Colômbia. Lá, pesquisadores estão estudando bactérias do rio Tinto capazes de sobreviver nas condições adversas do planeta vermelho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário