1 de jul de 2010

Estrelas mais antigas da Via Láctea nasceram em outras galáxias

Redação do Site Inovação Tecnológica - 30/06/2010
Esta simulação mostra o halo de estrelas anciãs ao redor da Via Láctea, como ele deve estar hoje.[Imagem: Andrew Cooper/Durham University]


Estrelas órfãs

Muitas das estrelas mais antigas da Via Láctea são remanescentes de outras galáxias menores que foram dilaceradas por colisões violentas há cerca de 5 bilhões de anos.

A afirmação é de um grupo internacional de cientistas, em estudo publicado pelo periódico Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Essas estrelas anciãs são quase tão antigas como o próprio Universo. Os pesquisadores, de instituições da Alemanha, Holanda e Reino Unido, montaram simulações em computadores para tentar recriar cenários existentes na infância da Via Láctea.

Colisão de galáxias

O estudo concluiu que as estrelas mais antigas na galáxia, encontradas atualmente em um halo de detritos ao seu redor, foram arrancadas de sistemas menores pela força gravitacional gerada pela colisão entre galáxias.

Os cientistas estimam que o Universo inicial era cheio de pequenas galáxias que tiveram existências curtas e violentas. Esses sistemas colidiram entre eles deixando detritos que eventualmente acabaram nas galáxias existentes atualmente.

Segundo os autores, o estudo apoia a teoria de que muitas das mais antigas estrelas da Via Láctea pertenceram originalmente a outras estruturas, não tendo sido as primeiras estrelas a nascer na galáxia da qual a Terra faz parte e que começou a se formar há cerca de 10 bilhões de anos.

"As simulações que fizemos mostram como diferentes relíquias observáveis na galáxia hoje, como essas estrelas anciãs, são relacionadas a eventos no passado distante", disse Andrew Cooper, do Centro de Cosmologia Computacional da Universidade Durham, no Reino Unido, primeiro autor do estudo.

Geologia estelar

As simulações computacionais tomaram como início o Big Bang, há cerca de 13 bilhões de anos, e usaram as leis universais da física para traçar a evolução das estrelas e da matéria escura existente no Universo - veja Super-simulação traça mapa histórico do universo.

"Como as camadas antigas de rochas que revelam a história da Terra, o halo estelar preserva o registro do período inicial dramático na vida da Via Láctea, que terminou muito tempo antes de o Sol ser formado", explica Cooper.

Uma em cada centena de estrelas na Via Láctea faz parte do halo estelar, que é muito mais extenso do que o mais familiar disco em espiral da galáxia.

O estudo é parte do Projeto Aquário, conduzido pelo consórcio Virgo, que tem como objetivo usar as mais complexas simulações feitas em computador para estudar a formação de galáxias - veja Simulação recria evolução da matéria no Universo.

Bibliografia:
Galactic stellar haloes in the CDM model
A. P. Cooper, S. Cole, C. S. Frenk, S. D. M. White, J. Helly, A. J. Benson, G. De Lucia, A. Helmi, A. Jenkins, J. F. Navarro, V. Springel, J. Wang
Monthly Notices of the Royal Astronomical Society
July 2010
Vol.: Published Online
DOI: 10.1111/j.1365-2966.2010.16740.x

Nenhum comentário:

Postar um comentário