10 de out de 2011

Pesquisador do DES é um dos laureados com o Nobel de Física

Observatório Nacional - 10/10/2011


O projeto Dark Energy Survey (DES, http://www.darkenergysurvey.org/) tem alguns motivos para celebrar. Poucos dias antes de iniciar sua 15ª reunião de colaboração internacional, na Universidade da Pennsylvania (EUA), foi anunciada pela Fundação Nobel, em Estocolmo (Suécia), a concessão do Premio Nobel de Física de 2011 para a descoberta da aceleração da expansão do Universo. A causa, ainda desconhecida, dessa aceleração, denominada energia escura, é o objetivo principal do consórcio DES, que envolve cerca de 25 instituições internacionais, entre elas o grupo DES-Brazil.

O prêmio foi concedido a Saul Perlmutter (Lawrence Berkeley National Laboratory e University of Califórnia), Brian Schmidt (Australian National University) e Adam Riess (Johns Hopkins University e STScI), e a descoberta foi feita através da observação de supernovas distantes, em 1998, simultaneamente e de modo independente. Perlmutter lidera o Supernova Cosmology Project (http://supernova.lbl.gov/ , que observou cerca de 40 supernovas, enquanto Schmidt e Riess desenvolveram o projeto High-Z Supernova Search (http://www.cfa.harvard.edu/supernova/public.html) e observaram cerca de 20 objetos. O brilho observado dessas explosões estelares de luminosidade constante (que permite a determinação de suas distâncias) mostrou que um modelo cosmológico com expansão acelerada é mais apropriado para descrever o Universo atual.

O DES celebra, de forma especial, a concessão do premio a Saul Perlmutter já que o cientista é um dos participantes do projeto, associado ao Grupo de Trabalho de Supernovas.

Foi a partir da descoberta da expansão acelerada do Universo que a investigação da natureza da energia escura tornou-se um dos temas prioritários da ciência atual, congregando astrônomos e físicos num esforço de pesquisa mundial, com grandes desafios observacionais, assim como para teorias da física fundamental. Para dar uma orientação geral no esforço de pesquisa multi-institucional e estabelecer prioridades de financiamento, o National Science Foundation (NSF) e o Department of Energy (DoE) dos EUA reuniram cientistas, que, num painel de discussões, produziram o documento Dark Energy Task Forece (DETF, Força Tarefa em Energia Escura, http://arxiv.org/abs/astroph/0609591) com recomendações para projetos de pesquisa no tema. Este documento estabelece uma seqüência temporal de itens como metas gerais a serem alcançadas e um grau crescente de complexidade de desenvolvimento instrumental. O Dark Energy Survey é um experimento de Fase III, aprovado para financiamento pelo NSF e DoE.

O Brasil participa, como grupo, do Dark Energy Survey. O Projeto Estruturante AstroSoft do Observatório Nacional (ON) constrói um portal científico para o DES e, através de um acordo entre o ON, o Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas e o Laboratório Nacional de Computação Científica, foi criado o Laboratório Interinstitucional de e-Astronomia (LIneA, http://www.linea.gov.br/) para gerenciar a participação brasileira no DES e em outros grandes levantamentos de dados astronômicos. Através do LIneA, participam desses levantamentos, pesquisadores dessas três instituições do Ministério de Ciência, Tecnologia e inovação e outros pesquisadores do Instituto de Física da UFRGS, do Instituto de Física da UNESP, do Instituto de Física da USP, do instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP, do Observatório do Valongo/UFRJ e da UFF.

Além do premio Nobel, ressaltando a importância do tema energia escura, o encontro do DES na Universidade de Pennsylvania inicia com o anúncio de progressos significativos no projeto, que entrará em operação em 2012. Como ressaltado pelo diretor do projeto, Josh Frieman (do Fermilab), o projeto espera que na próxima década seja possível compreender porque o Universo está acelerando sua expansão e o DES é o próximo grande passo nesta direção.
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário