31 de jan de 2011

Groenlândia degela menos que o previsto

Folha de São Paulo - 27/01/2011

No auge do verão, blocos de gelo correm para o mar com uma velocidade entre 46% e 78% menor que o esperado.

Fenômeno não invalida aquecimento global; estimativa de elevação do mar, porém, pode ser revista, diz cientista.

LUIZ GUSTAVO CRISTINO
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA


O aquecimento global é uma realidade, mas algumas das catástrofes relacionadas ao fenômeno podem ter que ser revistas. É o caso do manto de gelo da Groenlândia, que pode estar menos ameaçado que o previsto.

Pesquisadores europeus realizaram um estudo, publicado na revista "Nature", em que afirmam que o degelo da ilha pode levar mais tempo do que se imaginava.

A causa do temor dos glaciólogos era um fenômeno denominado drenagem subglacial. A água gerada pelo derretimento do gelo infiltra-se em pequenos canais e alcança a camada rochosa abaixo do manto gelado.

Essa água, então, escorre em direção ao mar, formando uma lâmina aquática que atua como lubrificante e faz com que blocos de gelo "escorreguem" para o oceano.

Mas cientistas perceberam, analisando a ilha por satélite, que a drenagem subglacial causa menos estragos do que se pensava.

A partir de um limite de derretimento do gelo -1,4 cm por dia do manto-, a água para de abastecer a interface entre gelo e rocha e começa a se infiltrar em canais no gelo, escoando para o mar. O efeito lubrificante é, então, reduzido.

Os cientistas calculam que, em anos quentes, conforme o verão avança e as temperaturas sobem, a velocidade com que os blocos de gelo se deslocam para o mar se reduz entre 46% e 78%.

"O estudo é uma contribuição importante para a correção dos modelos matemáticos usados para prever o ritmo de redução do gelo da ilha", diz o glaciólogo Jefferson Simões, coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia da Criosfera. Ele ressalta que os efeitos do aquecimento global sobre o gelo continuam valendo.

Segundo Andrew Shepherd, da Universidade de Leeds (Inglaterra) e um dos autores do trabalho, o estudo mostra que o gelo está mais seguro na Groenlândia do que o imaginado.

As previsões sobre o aumento do nível do mar -o IPCC (o painel da ONU para o clima) previa até 59 cm em 100 anos- talvez tenham de ser revistas, diz ele. Especialmente porque a Groenlândia é uma das grandes vilãs da elevação do nível dos mares.

Isso porque, em razão da localização, suas geleiras ficam a uma temperatura muito próxima da de fusão do gelo. "É necessário muito menos calor para derreter o gelo da ilha do que, por exemplo, o da Antártica", diz Simões.

Em 2007, o IPCC tinha causado polêmica ao estimar mais degelo do que o real. O órgão dizia que o gelo do Himalaia sumiria até 2035 -em 2010, o IPCC voltou atrás.

Nenhum comentário:

Postar um comentário